DICA DE PORTUGUÊS: A REGÊNCIA DO VERBO "ESQUECER"

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Existem três maneiras de empregar o verbo ESQUECER. Vou mostrar, nesta postagem, duas delas, que são as mais usadas por nós.
Esse verbo pode ser empregado com ou sem a companhia de pronomes pessoas oblíquos átonos (ME, TE, SE, NOS, VOS). Quando vier acompanhado desses pronomes, exige a presença da preposição DE. Por exemplo: "Eu nunca me esqueço de você". Entretanto, sem a companhia do pronome, não se pode usar a preposição. Exemplo: "Eu nunca esqueço você". Fácil, não? Pena que a banda Garota Safada não se lembrou dessa  regra na letra de "A Camisa e o Botão", no seguinte trecho:

(...)

Vamos sair para ver o sol
Nunca se esqueça
Que meu amor quando a gente quer
O mundo se ajeita

Percebam que, no segundo verso, o verbo esqueça está acompanhado do pronome se. Nesse caso, é obrigatório, como vimos, o uso da preposição de. A estrofe acima deveria estar assim grafada:

Vamos sair para ver o Sol
Nunca se esqueça
De que meu amor, quando a gente quer
O mundo se ajeita

Para concluir, uma observação importante. Essa regra também se aplica ao verbo LEMBRAR.

4 comentários:

Anônimo disse...

e quando for a seguinte frase : Nunca esqueçi do que passamos juntos. está correto afirmar que é : Nunca me esqueçi do que passamos juntos ?

ALCIMAR DA SILVA ARAÚJO disse...

Há três construções possíveis: 1ª) Nunca me esqueci do que passamos juntos; 2ª) Nunca esqueci o que passamos juntos; 3ª) Nunca me esqueceu o que passamos juntos.

Anônimo disse...

preciso mudar a regência do verbo lembrar na seguinte frase.

EU ME LEMBRO COM SAUDADE DAQUELA ÉPOCA DA INFÂNCIA.

se puder me ajudar , obrigada.

obs: preciso de adaptações necessárias

Leidianny disse...

muito legal a dica...

Postar um comentário

You can replace this text by going to "Layout" and then "Page Elements" section. Edit " About "